quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

APELO


APELO

Quem quer que sejas, vem a mim apenas
de noite, quando as rosas adormecem!

Vem quando a treva alonga as mãos morenas
e quando as aves de voar se esquecem.

Vem a mim quando, até nos pesadelos,
o amor tenha a beleza da mentira.

Vem quando o vento acorda em meus cabelos,
como em folhagem que, ávida, respira...

Vem como a sombra, quando a estrada é nua,
num risco de asa, vem, serenamente!

Como as estrelas, quando não há Lua
ou como os peixes, quando não há gente...

Pedro Homem de Melo

Lido por Regina Bacelar

Sem comentários:

Enviar um comentário