quinta-feira, 21 de abril de 2016

DE TI!


DE TI!

Abri um diário que guardo no baú dos nossos afetos
onde registo devotamente todas as nossas memórias
para um dia contar ao nosso filho e próximos netos
todos os nossos feitos de singelas e velhas histórias.

Os anos vão passando velozes e nós a envelhecer
sempre a acreditar num mundo justo e melhor
sinto as ilusões da minha imaginação a esmorecer
e a apagar-se da memória a esperança do último amor.

Guardo de ti tantas lembranças de outrora
dos sonhos que sempre tiveste e me contaste
dum envelhecer efêmero que somos agora
e dos afetos carinhosos que sempre me deste.

As lembranças que tenho de ti são a minha riqueza
em velhos registos que sem preconceito expresso a nu
lembranças da tua juventude e da tua beleza
que guardo religiosamente no nosso velho baú.


ArtCar (Artur Cardoso)
lido por Fátima Cardoso

Sem comentários:

Enviar um comentário